Fixo

‘Estamos preparados para um revide’: MS reforça segurança após salve geral do PCC

Polícia de Mato Grosso do Sul recebeu informação do estado de São Paulo sobre ‘salve geral’

Depois da Polícia de Mato Grosso do Sul receber a informação do estado de São Paulo de um ‘salve geral’ da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) após o confronto que aconteceu na noite de segunda-feira (11), em Ponta Porã a 346 quilômetros de Campo Grande, entre policiais e membros da facção, foi ampliado o reforço, na fronteira.

De acordo com o delegado-geral da Polícia Civil de MS, Marcelo Vargas, a segurança no estado está preparada para uma possível retaliação da facção criminosa, “quem enfrenta a polícia tem de estar preparado para um revide”, disse Vargas, que não revelou o número do contingente policial por questões de segurança.

Vargas ainda disse que já estavam preparados para esta retaliação, e que desde a semana passada o policiamento na fronteira foi reforçado. O delegado-geral ainda afirmou que se mais ataques da facção ocorrerem, provavelmente, acontecerão mais mortes. Sobre a questão de tentar expulsar da fronteira a facção, Vargas disse ser uma questão complexa.

“Não se resolve assim, o número deles (PCC) é muito grande e a fronteira propicia esse grande número de faccionados, mas estamos sempre atentos e tentando minimizar”, afirmou Vargas.

Casa do PCC no Brasil

Os oito membros da facção morreram em confronto com a polícia, na noite de segunda-feira (11), em Ponta Porã. Todos seriam paraguaios. Eles foram identificados inicialmente como: Diego Marcial Moraez González, de 28 anos, Oscar Prieto Davalos, de 23 anos, Blas Daniel Moraez González, de 18 anos, Edison Prieto Davalos, de 27 anos, Daniel Irala de Santa Ana, Fredy Portillo de Santa Teresa, Ruben Dário e Alcides Trinidad, de 19 anos.

O confronto aconteceu depois da prisão e expulsão de Giovanni Barboza da Silva, o ‘Bonitão’, do PCC A polícia descobriu que a facção criminosa tinha uma casa de apoio no Brasil, com isso, equipes do Garras se deslocaram para a fronteira em apoio a 1º Delegacia de Polícia de Ponta Porã.

Quando os policiais chegaram na casa, encontraram 8 membros da facção na residência, sendo que dois conseguiram pular o muro e fugir. Houve confronto e seis acabaram mortos nesse primeiro confronto. Equipes do DOF e Bope vasculharam a região e encontraram os outros dois fugitivos, que também morreram em troca de tiros. Na casa foram apreendidos dois fuzis, quatro pistolas e dois carros roubados.

Mostrar Mais
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar